Notícias

Ação Verde cadastra comunidade ribeirinha ao longo do rio Cuiabá

Cadastramento é a nova etapa do projeto Verde Rio que pretende recuperar 100% das áreas degradadas do rio Cuiabá até 2016.




O Instituto Ação Verde inicia, no mês de julho, o cadastramento das propriedades ribeirinhas do rio Cuiabá que apresentam áreas de preservação permanente degradada (APPD). Um levantamento inicial, realizado pelo Instituto, revelou que cerca de dois mil hectares de área ao longo do rio Cuiabá encontram-se degradadas.



O objetivo é proporcionar aos ribeirinhos, condições para recuperação da área. Todos os cadastrados receberão mudas para plantio e assistência técnica do Ação Verde. De acordo com o cronograma do Projeto Verde Rio, devem ser plantadas na Bacia do rio Cuiabá, em 2009, cerca de 1 milhão de mudas. O plantio terá início no mês de fevereiro. As mudas são produzidas pelo próprio Ação Verde no viveiro florestal da entidade, localizado no bairro Sucuri em Cuiabá. O viveiro tem capacidade para produzir até 3 milhões de mudas por ano.


O superintendente da entidade, Paulo Borges, explica que as informações registradas nesta fase, permitirão intervenção imediata dos próprios ribeirinhos nas áreas que necessitam de recuperação. "Isso vai melhorar a condição de vida dos moradores e promover a preservação dos recursos naturais da região", disse.



Borges afirma ainda, que essa é uma oportunidade para a comunidade ribeirinha se adequar às leis de preservação ambiental. O cadastramento será realizado por uma equipe formada por técnicos do Instituto Ação Verde e Secretaria do Meio Ambiente (Sema) que também realizarão levantamento sobre o nível de degradação nas propriedades.



O cadastro, que só será efetuado com a autorização dos proprietários, é um registro importante para a implementação de novas ações pelo Instituto Ação Verde.



Projeto – Lançado em março deste ano, o projeto Verde Rio visa recuperar e preservar 100% das matas ciliares dos principais Rios de Mato Grosso até 2020, trazendo benefícios não só aos ecossistemas locais, mas também à população do Estado.



Em sua primeira etapa, serão recuperados mais de dois mil hectares de área degrada em torno do Rio Cuiabá, principal fonte de água doce de duas das principais cidades do Estado. Mais sete municípios serão beneficiados pelo projeto: Várzea Grande, Rosário Oeste, Barão de Melgaço, Acorizal, Jangada, Nobres e Santo Antonio do Leverger.


Da assessoria