Notícias

Zoneamento Ecológico: Deputados de MT falarão de idéia verde

Em meio às discussões nacionais envolvendo o desmatamento e a questão ambiental em Mato Grosso e na sua porção amazônica, o presidente da Assembléia, deputado Sérgio Ricardo (PR) e o presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Dilceu Dal"Bosco (DEM), que tem sua base eleitoral em Sinop, município do Norte do Estado, e que é conhecedor das questões ambientais da Amazônia, conclamaram a todos os deputados estaduais a irem à Brasília se reunir com a bancada federal no Senado e na Câmara Federal para apresentarem a proposta de Zoneamento Sócio-Econômico Ecológico (ZSEE) que foi recentemente entregue à apreciação parlamentar pelo governador Blairo Maggi (PR).



"O Zoneamento é uma peça concluída, terminada, estudada e principalmente discutida com Organizações Não-Governamentais (Ongs), além de entidades de classe e especialistas em meio ambiente, restando apenas a nós mesmos resgatarmos os entendimentos da sociedade para com a proposta que vai mudar as regras ambientais de todo o Brasil em 12 Audiências Públicas", explicou Sérgio Ricardo, assinalando que vai ao encontro dos senadores Jaime Campos e Gilberto Goellner, ambos do DEM, e Serys Slhessarenko (PT), para que acabe a campanha desencadeada contra Mato Grosso.



Para o presidente da Comissão de Meio Ambiente, Dilceu Dal"Bosco, a única resposta que Mato Grosso dará ao Brasil e ao mundo será o seu Zoneamento Ecológico, a única proposta pronta, concluída e exequível existente no Brasil. "Será que o novo ministro Minc vai aprovar uma proposta no Rio de Janeiro para depois utilizá-la no país?", perguntou o parlamentar criticando o fato do ministro não ser técnico e muito menos político.



O secretário de Planejamento, Yênes Magalhães, responsável pela elaboração do projeto, assegura que a proposta vai ser colocada o quanto antes em prática e demonstrará que "nós cuidamos de nossas riquezas naturais muito melhor do que os grandes centros do Brasil, que destruíram suas florestas e mananciais".



Fonte: A Gazeta